quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Feliz e Santo Natal

"Glória a Deus no mais alto dos céus,
e paz na terra aos homens de boa vontade!"

Uma luz para nós, hoje brilhou!
É Jesus o nosso Salvador.
Desejo a todos um Feliz e Santo Natal!
Que a luz do recém-nascido
brilhe com força em nossa vida
E ilumine assim todos os nossos passos!

Grande e fraterno abraço!

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Pensamentos 2

Olha aí pessoal, mais uma postagem da série Pensamentos. Grande abraço


Há pessoas que desejam saber só por saber, e isso é curiosidade; outras, para alcançarem fama, e isso é vaidade; outras, para enriquecerem com a sua ciência, e isso é um negócio torpe: outras, para serem edificadas, e isso é prudência; outras, para edificarem os outros, e isso é caridade.


(S. Tomás de Aquino)


segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Uma vez - Felipe Areco

Navegando na internet por esses dias, “passeando” pelo Orkut, (onde gosto de ler o que as pessoas costumam colocar naquele espaço “Quem sou eu”), encontrei um texto/poema muito interessante, que me chamou a atenção pela forma em que foi escrito, deixando claro o que o escritor sente quanto às certezas dadas por outras pessoas sobre coisas da vida, como a saudade, amor, realidade evidenciando o fato delas não dizerem a verdade, ou melhor, por dizerem apenas “meia-verdade”. Agradeço ao Felipe, por ter autorizado a postagem do seu poema aqui no blog: Valeu!!! Eis o texto/poema:

Uma vez...

Uma vez disseram pra mim que saudade era algo que se sentiam quando não se tinha aquela pessoa ao seu lado...
Mas esqueceram de dizer que saudade tem que ser sentida e não falada... sentida no
sentido de ações...
Uma vez disseram pra mim que tornar real aquilo que você idealiza é somar dois inteiros...
Mas esqueceram de dizer que isso é adição e não união de duas metades...
Uma vez disseram pra mim que reciprocidade é retribuição...
Mas esqueceram de dizer que além da retribuição é contribuição...
Uma vez disseram pra mim que amar é ter amor a alguém, a algo ou a si mesmo...
Mas esqueceram de dizer que amar não é só isso e sim sentimento, porque quem ama guarda no coração a mais sublime das comparações...
Uma vez disseram pra mim que devemos aprender a dizer adeus, já que tudo na vida anda em ciclos e que terminar é o recomeço de um novo ciclo...
Dessa vez esqueceram apenas um detalhe: onde está escrito que tenho que fazer assim? Tudo na vida tem começo, meio e fim.
As relações afetivas também passam por profundas transformações e vem revolucionando o conceito de amor. O que se busca hoje é uma relação compatível com os tempos modernos...
Devo andar depressa... porque pode-se dizer que o ser humano vem trocando o amor de necessidade pelo amor de desejo...

Felipe Areco

domingo, 30 de novembro de 2008

Pensamentos 1

Pensei em postar alguma coisa hoje aqui no blog, mas não consegui pensar em nada que fosse meu (que eu tivesse um motivo pra postar) e então navegando pela internet, encontrei um pensamento bem interessante e resolvi colocá-lo aqui inaugurando a Série: Pensamentos. Espero que gostem!

Quando nada parece dar certo, vou ver o cortador de pedras a martelar numa rocha talvez 100 vezes, sem que uma única rachadura apareça. Mas na centésima primeira martelada a pedra abre-se em duas e eu sei que não foi aquela que conseguiu isso, mas todas as que vieram antes.

(Jacob Riis)


Grande abraço!

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Feliz Natal

Festas chegando...



Estava pensando o que colocar aqui para atualizar esse espaço, mas nada me veio à memória. Então, vasculhando os meus arquivos, lembrei-me de uma carta que escrevi no ano de 2006, e todo o conteúdo dela é bem propício para esta época em que estamos para viver mais uma passagem de ano! Segue o texto na íntegra; espero que gostem!

Tempo de recomeçar

Final de ano se aproxima! Mais 365 dias se passaram, os quais já estão arquivados na memória, e a vida continua.
Para alguns este ano foi o “ponto final”, o fim da estrada em relação à vida terrena, já para outros, foi o início de uma longa jornada rumo ao conhecimento e amadurecimento.
A vida não pára! O tempo não pára! Não há recessos, não há vírgulas; os ponteiros do relógio estão sempre em movimento, um único movimento, indicando que tudo evolui, que tudo muda, tudo cresce, que nada permanece como está, que “tudo flui” como dizia o filósofo Heráclito (540-480 a.C.).
Contudo, este período em que ora vivemos de expectativa quanto à chegada de um novo ano, é propício para cada ser humano fazer uma espécie de retiro pessoal, um momento de reflexão, um momento para pensar no que foi feito durante os 365 dias que se seguiram, uma parada para pesar as boas ações e aquelas não tão boas também.
Este tempo deveria funcionar como uma espécie de “deserto”, onde cada um se retirasse para um determinado lugar, e lá, sozinho, refletisse sobre como tem caminhado sua vida, como tem sido a vivência social, enfim.
Mas por que parar para refletir agora?
Certo está em dizer que o tempo não pára, e não pára mesmo, como descrito anteriormente, porém cada ser humano pode e deve fazer uma pausa para refletir um pouco. O tempo não pára, mas nós podemos parar sim, basta querer e desejar que isso aconteça.
Às vezes, sem querer, magoamos pessoas que são e estão muito próximas, seja da família ou mesmo amigos. Num momento de irritabilidade fazemos coisas das quais no arrependemos depois, como por exemplo, proferir uma palavra errada na hora errada. Há um provérbio popular que muito bem ilustra essa situação, que diz: “Palavras não são pedras, mas quando jogadas com força, machucam”. Uma palavra dita num momento errado, pode tornar-se uma pedra que destrói, machuca, arrasa e deixa marcas profundas, não fisicamente, mas sim, marcas na alma.
Na maioria das vezes nosso orgulho e ego, impedem que desculpemo-nos, e de tentarmos amenizar a dor; é por isso que este momento de reflexão faz-se necessário. É através dele que poderemos olhar para o passado, analisar e detectar nossos erros, e se possível tentar redimir-se.
E neste momento é necessário deixar o ego de lado, vestir-se de humildade, e fazer o que deve ser feito. É claro que isso nem sempre é fácil, ninguém disse que seria, mas também ninguém disse que seria difícil.
Desfazer-se do ego e tentar redimir-se por um erro cometido é questão de caráter.
É por isso que, e para isso que esse tempo torna-se favorável para reflexão.
Todas as empresas e instituições governamentais fazem um balanço da suas atividades nessa época, visando sempre melhorar naquilo que é preciso, e assim como elas, cada um também deveria fazer o mesmo. Não custa nada; não machuca e nem dói. É claro que deve haver esforço por parte de cada um, e força de vontade; com ela, tudo fica mais simples.
Este tempo é de alegria e muitas comemorações, assim sendo, nada melhor que se utilizar dele como uma oportunidade de crescimento como pessoa, como também de crescimento espiritual.
Este tempo é adequado para olhar o passado, analisá-lo e tentar ser melhor no futuro. É tempo de recomeçar, fazendo com que tudo seja mais perfeito, mais brilhante, e isto é tarefa de todos, sem exceção.
É tempo de refletir.
É tempo de ser mais feliz.
É tempo de fazer a vida ser melhor.
É tempo de recomeçar!

Silvio Luiz Mauch (Dez/2006)

sábado, 8 de novembro de 2008

Incentivando a escrita

Resultado de um trabalho realizado em uma sala de 1º ano do ensino médio e uma de 3º, em uma escola da cidade de Rio Claro, onde tenho trabalhado esse ano como professor eventual, estes dois poemas que seguem foram escritos por alunos. Todo professor, tem o papel de incentivar seus alunos para a leitura, cada qual com sua disciplina correspondente, mas também pode e deve incentivá-los para a escrita. Estes dois poemas que seguem, foram escritos numa das aulas eventuais da disciplina de língua portuguesa. Entre os alunos que participaram, foi sorteado um livro: a Antologia IX do CLIRC (Centro Literário Rio Claro). A atividade proposta teve por intuito despertar o aluno para a escrita, pela qual pode-se expressar os sentimentos das mais variadas formas, transformando esses sentimentos em palavras, e o conjunto de palavras em poemas. Apesar de nem todos participarem, o resultado foi positivo! Segue os poemas:


Queria (Mayara - 1º ano)


Hoje eu queria sair, queria te buscar

Mas de repente vejo que é impossível

Onde iria te encontrar?

Então resolvi ficar pensando em você

Eu te amo, sabe?

Te amo como jamais ninguém te amou

Hoje tive saudade.

Tive a impressão, que vi sua imagem

Você estava sorrindo para mim.

Mas logo percebi que era só uma miragem

Você não estava comigo

E logo as lágrimas rolaram em meu rosto

Mas não as enxuguei

Pois elas era um pouco de você!


Um amigo (Camila – 3º ano)


Na vida passamos por obstáculos

Muitas vezes nos sentimos desamparados

Mas encontramos uma luz

Um amigo que nos ajuda e conduz

A amizade é uma conquista

Não é algo que encontramos no caminho

Tem que nascer com o tempo

Nos momentos felizes e de sofrimento

Ela nos mantém unidos

Nos ensina a respeitar

Pois estamos perto

De quem se pode confiar

Podemos dar vários nomes

Mas essa pessoa sempre será:

Um AMIGO de verdade

Em quem se pode confiar.

domingo, 2 de novembro de 2008

O Papel amigo

Bom, já era hora de atualizar o blog não é? Não tinha nada em mente, quando lembrei-me do quanto gosto de papel. Seja pra escrever ou dobrar (amo a arte do origami, apesar de não ser profissional). Pra onde vou, se não levo, dou um jeito de encontrar, pra que eu possa dobrar algo, ou escrever alguma coisa. O tema do poema como já podem ver é sobre o papel. Sabemos que é um ser sem vida, mas pra quem gosta de escrever ou dobrar, é um grande amigo, só mesmo quem gosta pra entender essa paixão! E aqui homenageio este "ser" que se doa a nós para que possamos nele expressar nossos sentimentos, ou mesmo mostrar nossa habilidade em se tratando de dobras! Espero que gostem. Grande abraço

O papel meu amigo

Meu melhor amigo
Nesses dias de obscuridade
Dentro de minha casa interior
É o papel...
Não diz nada
Por não ter lábios
Mas, posso entendê-lo
Sincera e perfeitamente
Não tem sentimentos
Como nós temos
Mas posso senti-lo
Feliz, quando o tenho
Em minhas mãos.
Triste e solitário
Quando guardado
Dentro de uma gaveta qualquer.
Quando nele escrevo
Parece conversar comigo
Quando o dobro
Parece brincar comigo
Agradecido sou
Pela sua existência
Meu papel amigo!

Silvio Luiz

sábado, 4 de outubro de 2008

Primavera



Bom, o blog está um pouco parado, isso é um fato. Agora um outro fato interessante foi o de que eu não sabia o que postar, então fui verificar os meus arquivos, e meus olhos fixaram-se em um, e disse a mim mesmo: “ é esse”. É um poema que fiz ano passado nessa mesma época. Eu sei que já faz alguns dias que entramos nessa estação, mas o que vale é a intenção. Seu título, óbvio, é Primavera, espero que gostem. Abraço a todos

Primavera


Lindos, cheios de beleza

E esplendorosa formosura

Os botões anunciam a chegada

Da prima mais amada dos poetas

Senhorita deslumbrante e fina

Que a todos alegra

Com seus perfumes mais agradáveis

E com suas cores inigualáveis.

Como a mulher que se apronta

Para seu amado e querido esposo

Embelezando-se com cores vibrantes

E perfumando-se

Com suas mais variadas fragrâncias

Ela se apresenta à todos

Sejam ricos ou pobres

E não faz distinção de ninguém

Eis a Primavera que chega

Para alegrar nossas vidas!


Silvio Luiz

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Ode à saudade (tenho bons amigos)

Durante nossa vida, conhecemos muitas pessoas, e a algumas delas (sim, porque isso não é privilégio de todos) damos o nome de amigos. Uns passam rápido, uns deixam marcas boas em nós, outros não, outros passam por nós e ficam e estes nos ensinam coisas novas todos os dias, mas há também aqueles que passam rápido, mas permanecem “plantados” em nós mesmo apesar da distância ou do tempo que provocam a saudade. São pessoas maravilhosas, espirituosas cheias de carisma, que conquistam seu espaço em nossos corações e dali, só “sairão” quando partirmos desse mundo. Essas pessoas sempre deixam algo bom e até mesmo divino em nós, porque a comunhão entre amigos, ou a comum união entre pessoas que partilham mesmos sentimentos é sim, algo espetacular e divino. E é nessa partilha que aprendemos a ser mais humanos, a sermos mais gente, e a sermos mais nós mesmos, porque dizem que o amigo é como um espelho, e espelhando-nos nas boas amizades nos tornamos pessoas melhores. E foi pensando nas boas amizades que tenho que escrevi esse poema.


Ode à Saudade


Pedaço de saudade que me invade
Que de minha vida um dia fez parte
Te reencontro em pensamento
E em todo e qualquer momento
Por ti uma prece faço
Que Deus não permita que este laço
De amizade e comunhão fraterna
Desfaça-se com o tempo
Mas que ele continue sendo
Este mesmo sentimento
De união em busca da verdade
Seja na tristeza ou na felicidade
Que um dia te colocou em meu caminho
E me mostrou que ser amigo
É mais do que apenas dizer oi
É viver sorrindo
Mesmo quando o coração
Sente-se solitário
Porque a certeza do reencontro
Traz o intenso brilho
Que a saudade transformou
Em dor...


Silvio Luiz

sábado, 23 de agosto de 2008

Perfeição - Legião Urbana (Um hino à nossa estupidez)



É incrível que pessoas, assim como o trovador solitário Renato Russo conseguem expressar seus sentimentos de forma clara e criativa. O trovador já não está mais entre nós, mas, suas composições ainda nos tocam de uma forma tão “certeira” que me pasmo. A sensibilidade com que compunha as letras de suas canções é espetacular.

Nesta composição “Perfeição”, o poeta fala de tudo um pouco, mas de uma forma tão bem expressa e tão bem harmoniosa (se me permitem tal termo), que a obra é sempre atualizada, isto é, as coisas que estavam acontecendo na sua época (não tão distante assim da minha) acontecem agora. Tanta sujeira, tanta maldade, injustiça e até perversidade, acontecem aos nossos olhos, debaixo no nosso nariz, mas, alguns ainda assim não percebem; parecem estar tão anestesiados com tudo, que não se dão conta de que a nação vai escorrendo pelo ralo.

Que você caro leitor, me perdoe tanto pessimismo, mas é o que está acontecendo. Fico indignado com isso, mas também não posso fazer muita coisa, quando todos à minha volta estão também como num transe. O poeta indignado (essa é a minha leitura) expõe os fatos através das palavras e das metáforas, expressa o seu “horror” com a violência, a fome, o descaso seja com relação à saúde, educação, política, democracia (que assim como a nação, também está escorrendo pelo ralo) mas, não perde suas esperanças por uma mudança dizendo “quando a esperança está dispersa, só a verdade liberta”. Essa seria uma boa atitude de nossa parte! Mas, o primeiro passo sempre é o mais difícil; me refiro à mudança de postura das pessoas que juntas formam esta nação; abrir os olhos desse povo, não é tarefa fácil: ela me pertence e a você também.

Chega de ficar de braços cruzados enquanto lobos disfarçados de mansos cordeiros, nos assaltam e levam toda nossa herança de um povo lutador, mérito esse, de cada um de nós e de nossos antepassados. Chega de só dizer amém a tudo que nos dizem. É chegada a hora de uma mudança. Mudança de postura, de mentalidade no que diz respeito aos nossos deveres e direitos, por que sabem muito bem cobrar nossos deveres, e nós? Quando aprenderemos a cobrar nossos direitos?

Não queremos celebrar a estupidez humana, a nossa estupidez! Vamos celebrar o novo! Vamos lutar pela verdade que está aos nossos olhos! Coragem! E que este hino à estupidez, não seja uma “homenagem” a nós, pelo resto de nossos dias!


Silvio Luiz


terça-feira, 19 de agosto de 2008

Um olhar apenas

Bom, o que tenho a dizer, para introduzir o poema de hoje, é que cada faz uma leitura diferente de um poema, e creio que isso depende muito, do momento em que estamos vivendo. Assim, acontece também com uma obra de arte; o seu idealizador, quer transmitir uma mensagem, mas nem sempre aquele que está a observar tal obra, consegue ler ou descobrir o que o artista quis transmitir, pois o observador faz a sua leitura pessoal. Assim sendo, quero dizer que ao escrever esse poema, pensei na relação entre os olhos, ou melhor dizendo, o olhar, a sua forma, sua expressão. Um olhar pode dizer muitas coisas, sem que seja necessário pronunciarmos uma palavra sequer. Bem é mais ou menos por ai. Espero que gostem e entendam o que quis transmitir, mas, se não, também podem fazer sua própria leitura; isso também pode enriquecer um poema, ou mesmo uma obra.

Um olhar apenas


Um olhar apenas,

Diz tudo aquilo que

A boca não consegue

Traduzir com palavras.

Um olhar apenas,

Diz tudo o que

Não conseguimos

Traduzir com gestos ou ações.

Um olhar apenas,

Diz tudo aquilo

Que está encerrado

No silêncio do coração.

Um olhar apenas,

Revela nossos sentimentos,

Sejam de angústia ou

Simplesmente de alegria.

Um olhar apenas,

Denuncia quem somos,

A situação em que estamos,

E aquilo que almejamos.

Um simples olhar

Pode dizer tudo isso

Sem termos que dizer nada!

Não é à toa

Que os olhos são chamados

O espelho da alma.


Silvio Luiz

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Sarah Brightman - A question of honour

Uma das músicas que gosto, da soprano britânica, Sarah Brightman, em uma perfomance incrível, típica de suas turnês mundiais. Recentemente, Sarah juntamente com Liu Huan, apresentaram-se na abertura dos Jogos Olímpicos em Pequim, na China no dia 08/08/2008.

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Pequenas considerações sobre o egoísmo

Segundo o dicionário Aurélio, Egoísmo é o amor excessivo ao bem próprio, sem consideração aos interesses alheios. Tendo essa definição por base, somada às experiências que já tive, com as coisas que já vi e ouvi sobre, escrevi esse poema que segue. Aquele que se apega demasiadamente a si mesmo, vai afundado em seu próprio mundo sem mesmo perceber. O egoísta nunca tem tempo para nada nem para ninguém; todo o tempo do mundo é seu e com ele vai cultuando sua própria essência. O egoísta é quase sempre mesquinho; nunca um egoísta dividiu seu pão com quem mais necessitava, não que eu saiba! Longe de mim, querer redefinir o conceito do que seja um egoísta; aqui expresso somente o que pensei e refleti sobre, para poder assim "introduzir" o poema de hoje.


Egonaufrágio


Mergulhando a fundo nos sentimentos
Afogo-me em lembranças que como visgo
Envolvem meu corpo e levam-no
Cada vez mais ao fundo
A imensidão deste profundo oceano
Encanta, como encanta a canção
Das ondas esbarrando umas nas outras
Mas, ao mesmo tempo, impõe medo
Porque o mesmo poço de sentimentos
Serve de recipiente para o esquecimento
Este doloroso ser que fere a carne
E aprisiona a alma em seu mundo obscuro
Tento libertar-me como fera que
Com força total luta pela sua liberdade
Mas tudo em vão...
Os visgos são mais fortes que correntes
Pois são alimentados pelo ódio
Cansado, entrego-me ao meu egoísmo
Por não saber reconhecer o amor
Na mão amiga que me foi estendida
E que em vão tentou ajudar-me
Não reconhecer o outro como um porto
Favorável ao desembarque
Enfim, por não ter reconhecido
O verdadeiro valor da vida
Enquanto procurava por uma
Medíocre e maldida identidade
Que agora não valeria minha própria
LIBERDADE!


Silvio Luiz

domingo, 20 de julho de 2008

20 de julho - Dia do Amigo

Segundo a Wikipédia – A Enciclopédia Livre, o “Dia do Amigo” foi adotado em Buenos Aires, Argentina, com o Decreto nº 235/79, sendo que foi gradualmente adotado em outras partes do mundo. A data foi criada pelo argentino Enrique Ernesto Febbraro, que se inspirou na chegada do homem à lua, em 20 de julho de 1969, considerando a conquista não somente uma vitória científica, como também uma oportunidade de se fazer amigos em outras partes do universo. Assim, durante um ano, o argentino divulgou o lema "meu amigo é meu mestre, meu discípulo e meu companheiro".

No Brasil, o dia 20 de Julho também foi adotado como sendo o dia do Amigo.

Aos poucos a data foi sendo adotada em outros países e hoje, em quase todo o mundo, o dia 20 de julho é o Dia do Amigo, é quando as pessoas trocam presentes, se abraçam e declaram sua amizade umas as outras, na teoria.

E nessa data tão especial, publico aqui um dos meus poemas, baseados na temática da amizade.

Um grande abraço a todos os meus amigos!!!


Amigos

Amigos vem e vão
Uns são eternos
Como nossa alma
Outros são etéreos
Como nossos corpos
Uns são jóias valiosas
Com as quais temos
A honra de conviver,
Outros são como ouro de tolo
Bijuterias baratas que se acham
Em todo e qualquer canto
E que se quebram com facilidade
Uns são como o bom vinho
Agradáveis a qualquer paladar
Outros são como vinagre
Ou vinho azedo
Que nem todos suportam

Que você meu estimado amigo
Seja sempre eterno
Para que possamos partilhar
A beleza e a plenitude da vida
Seja sempre a jóia rara
Que guardo com apreço
E que seja sempre o bom vinho
Doce fruto da vinha
Que agrada ao paladar
Mesmo se reservado a muito tempo.


Silvio Luiz

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Buscando significados

Bem, em nossa curta existência, passamos a maior parte do tempo buscando respostas para as nossas perguntas, sejam elas complexas ou não. Nessa busca constante, às vezes desanimamos por não encontrar as tais respostas, ou porque quando pensamos tê-las encontrado, as perguntas foram trocadas. Vivemos buscando significados para cada momento de nossa existência, e isso faz de nós seres humanos, "coisas" complexas e de difícil compreensão. Esse poema que posto agora, ilustra um pouco dessa busca constante. Abraços!


Dúvidas e incertezas


Busco dentro em mim
O significado da existência
A essência da vida
Que pelo corpo passeia.
Tento em vão exteriorizar
O que está entranhado
No interior da alma
Sem calma pela falta
De um sentido concreto.
Clamo por uma luz
Que ilumine a obscuridade
Que em meu coração
Arde, corrói e dilacera
Mas tudo em vão.
O nada absoluto
Parece envolver a razão
Que leva a perguntar-me
Tais coisas.
A dúvida é constante
As perguntas freqüentes
E as respostas:
Sempre ausentes!


Silvio Luiz

domingo, 6 de julho de 2008

Escrever faz bem

Transformar nossos sentimentos em versos é uma arte, e uma arte que nos faz bem. A você que gosta de escrever, não tenha medo de revelar ao papel os seus sentimentos. Faça o teste, confie em si mesmo e tente. É claro que não dá para escrever de qualquer jeito; um português bonito e correto nunca é demais e não machuca ninguém. Eu comecei sem saber o resultado a uns 2 anos, e escrevo até hoje. Gosto dos momentos de solidão... estar só, já me serve de inspiração, e o resultado disso nem sempre é algo positivo. Muitas vezes o que se sente não é tão alegre ou bonito, mesmo assim, não tenha medo; transforme isso em arte, isto é, coloque no papel. O poema que segue é o resultado de um desses momentos:

O caos do ser

Coração descompassado, apreensivo
Semblante desfigurado, amargurado
Corpo trêmulo, já cansado
Mente irrequieta, acelerada
Derrama sobre o inocente papel
Em forma de palavras
Essas figuras de linguagem
Desenvolvida por mãos humanas
Sentimentos mais diversos
Em meio à confusão das linhas.
Os sujeitos já sem identificação
E os predicados vazios de sentido
Procuram estampar seu interior
Cheio de conflitos, desditos
Pelo seu exterior abominável.
Insuportáveis urros silenciosos
Atravessam-lhe a alma ressequida
Estilhaçando-lhe a vida.
Dor intermitente perdura.
Foi-se a doce ternura.
Prevalece exposta a fratura
Do ser...

Silvio Luiz

sábado, 5 de julho de 2008

Feli(z) Cidade Azul - Pilar Casagrande


Na noite do dia 05/07/08, tivemos no Ponto de Encontro, na cidade de Rio Claro/SP, o lançamento do livro “Feli(z) Cidade Azul” de Pilar Casagrande (escritora rioclarense e atual presidente do CLIRC – Centro Literário Rio Claro).

Uma festa maravilhosa, aconchegante e sensacional, onde marcaram presença, familiares e amigos da escritora.

Estive presente, gostei e através dessas palavras, gostaria de parabenizar, por mais uma vez a Pilar, pelo empenho com o CLIRC e por mais essa vitória alcançada.

O livro é a reunião de todos os e-books da escritora, mais as crônicas que a mesma escreveu para o jornal Diário do Rio Claro. Segue um dos poemas do livro:


FALANDO DE AMOR

Assim como no vão da aberta porta
Existe um não sei quê de eternidade,
Também na mocidade, quase morta,
Tu ficarás sepulta na saudade.

Mas virei te encontrar, virei sorrindo,
Com lágrimas nos olhos amorosos
E aqui reviverei um tempo lindo
Que dizem que passou; os mentirosos...

Depois de conversarmos lado a lado,
Voltarei ao meu mundo simplesmente,
Como se nada houvesse se passado...

E não serei mais só, nem mais tristonho,
Pois nosso amor será, assim candente,
Talvez loucura, mas também um sonho!


Pilar Casagrande

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Nos braços da poesia II

Nossa! Atualizar de vez enquando é bom, não é? Fiquei um tempo sem vir aqui. E nesse meio tempo escrevi mais alguns poemas, e este é o mais recente de todos. Beijos e abraços!

Nos braços da poesia II

Nos braços da poesia
Deito-me e deleito-me.
Versos reversos
E por muitas vezes inversos
Seduzem-me como a noite
Gélida e pontilhada de estrelas.
Os versos aconchegantes
Acalmam-me
Colocam-me em estado de paz
Paz espiritual, paz física e mental.
O jogo das palavras
Encantam-me como um jardim
De belas e perfumadas flores.
Nos braços da poesia
Viajo... para longe, para perto
Para o passado, para o futuro.
Nos braços da poesia
O tempo não é mais tempo
Mas, eternidade
Onde viver, não é só respirar
Mas, amar a vida, intensamente
E tudo a que ela pertence!


Silvio Luiz

segunda-feira, 12 de maio de 2008

Insanidade

Diz o ditado que "de louco, todo mundo tem um pouco". Loucura é sinônimo de insanidade, assim sendo o poema que segue trata-se de um acesso de loucura: um acesso de loucura literária que tive. A história dele é engraçada: em todas as conversas que tínhamos, uma amiga, a todo instante me chamava de insano, e essa idéia de ser insano foi entrando na cabeça, até que a "lâmpada" acendeu-se. No mesmo instante escrevi o tal poema e enviei para ela. Demos muitas risadas. Foi de fato divertido. Bom, sem mais, segue o resultado da conversa. Beijos e abraços

Insanidade

Disseram-me certa vez que sou insano
Eu neguei é claro
E comecei a questionar-me
Insano é portador da insanidade
Ou a insanidade é portadora do insano?
Quem porta quem ou ninguém porta?
Portaria o insano a insanidade ou
Portaria a insanidade o insano?
Mas que insanidade é essa
Sobre essa coisa insana?
Que insanidade mais estranha
Não me considero insano
Mas, confesso que essa coisa insana
Sobre ser insano e portar a insanidade
Está deixando-me insano de vez
Agora, insanidade mesmo
Foi cometer o ato insano
De descrever essa coisa insana
Sobre ser insano e portar a insanidade
Que insanidade mais insana
Depois dessa insanidade toda
Se de fato eu não era insano
Tornei-me um!

Silvio Luiz

sexta-feira, 11 de abril de 2008

A "verdade absoluta" de Mário Quintana

Recebi esse texto do Mario Quintana de uma amiga, e analisando bem, trata-se de uma "verdade absoluta". As definições vão além daquilo que pudermos imaginar sobre qualquer uma delas, aliás, são as melhores definições que já li ou encontrei por aí! E é por esse motivo, que estou postando ele aqui! Espero que gostem, como eu gostei!

Deficiências


"Deficiente" é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.

"Louco" é quem não procura ser feliz com o que possui.

"Cego" é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria, e só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores.

"Surdo" é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão. Pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir seus tostões no fim do mês.

"Mudo" é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.

"Paralítico" é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.

"Diabético" é quem não consegue ser doce.

"Anão" é quem não sabe deixar o amor crescer. E, finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois:

"Miseráveis" são todos que não conseguem falar com Deus. "

Mário Quintana

terça-feira, 1 de abril de 2008

A internet

Só para começar o blog, faço um pequeno comentário sobre a rede mundial de computadores: a internet. Infelizmente não são todos ainda que tem acesso a internet e acredito que seria praticamente impossível que todos tivessem, mesmo porque vivemos numa sociedade capitalista onde o ditado diz tudo: "quem é rico, cada vez fica mais rico; quem é pobre, cada vez fica mais pobre". Pode haver e há políticas públicas para expandir o acesso à rede, mas mesmo assim muitos não tem condições.
Agora deixando isso de lado, digo que a internet, mesmo sendo alvo de bandidos especializados em golpes virtuais e outros crimes, facilita e muito a vida de quem tem acesso. Ela evoluiu muito nos últimos tempos e se tornou um meio de comunicação bem rápido e poderoso: as informações são sempre atualizadas; trasformou-se em um "ponto" de lazer: temos as redes de relacionamento, bate-papos, jogos, ou seja, ela encurta e muito a distância entre as pessoas; é uma grande fonte de pesquisa, seja ela particular ou não, em todos os âmbitos...
Tudo isso é só uma pequena parte do que a internet pode oferecer. Há muito mais para ser dito, mas todo o espaço deste blog seria insuficiente, para dizer dos seus benefícios. Com ela é possível trocar idéias sobre assuntos diversos, como é a proposta desse blog, que só é possível, porque ela existe!
O que seria do mundo hoje sem a Internet?

Tradutor - Translate

Visite-os também e surpreenda-se!