segunda-feira, 12 de maio de 2008

Insanidade

Diz o ditado que "de louco, todo mundo tem um pouco". Loucura é sinônimo de insanidade, assim sendo o poema que segue trata-se de um acesso de loucura: um acesso de loucura literária que tive. A história dele é engraçada: em todas as conversas que tínhamos, uma amiga, a todo instante me chamava de insano, e essa idéia de ser insano foi entrando na cabeça, até que a "lâmpada" acendeu-se. No mesmo instante escrevi o tal poema e enviei para ela. Demos muitas risadas. Foi de fato divertido. Bom, sem mais, segue o resultado da conversa. Beijos e abraços

Insanidade

Disseram-me certa vez que sou insano
Eu neguei é claro
E comecei a questionar-me
Insano é portador da insanidade
Ou a insanidade é portadora do insano?
Quem porta quem ou ninguém porta?
Portaria o insano a insanidade ou
Portaria a insanidade o insano?
Mas que insanidade é essa
Sobre essa coisa insana?
Que insanidade mais estranha
Não me considero insano
Mas, confesso que essa coisa insana
Sobre ser insano e portar a insanidade
Está deixando-me insano de vez
Agora, insanidade mesmo
Foi cometer o ato insano
De descrever essa coisa insana
Sobre ser insano e portar a insanidade
Que insanidade mais insana
Depois dessa insanidade toda
Se de fato eu não era insano
Tornei-me um!

Silvio Luiz

Nenhum comentário:

Tradutor - Translate

Visite-os também e surpreenda-se!