terça-feira, 1 de setembro de 2009

Lembranças

O amor nasce de quase nada
e morre de quase tudo.
(Ives Vaet)




No silêncio do meu quarto
E na quietude de minh’alma
Pensei em ti!
E esse pensamento
Trouxe à tona
Lembranças...
Como a do teu beijo
Com teus lábios urgentes
À procura dos meus
Do teu toque carinhoso
Percorrendo suavemente meu corpo
Do teu misterioso olhar
Que decifrava meus sentimentos
Do teu amor sublime
E incondicional...
Indaguei-me o porquê do fim
Onde foi que eu errei?
Será que ainda pensa em mim?

Silvio Luiz

2 comentários:

...EU VOU GRITAR PRA TODO MUNDO OUVIR... disse...

Quantas vezes nos perguntamos se algumas pessoas ainda pensam em nós...

Belo,muito belo!!

Um beijo!Sonia Regina.

Davi Machado disse...

Lembraças...
realmente é um tocante poema, Silvio, teu dom só cresce mais dia após dia!

Tradutor - Translate

Visite-os também e surpreenda-se!